Do Debate Ideológico

Como sabemos, a classificação entre “direita” e “esquerda” no espectro político decorre da Revolução Francesa, da posição ocupada pelos defensores da nobreza e por seus opositores. O intelectuais franceses atualizaram continuamente esse conceito, mas por todo o século XX, pelo menos na Europa, era impossível falar de esquerda sem se referir ao socialismo.

“Luta de classes”, “ditadura do proletariado”, “fim da propriedade privada dos meios de produção”, “inevitabilidade do comunismo como destino”, retratar a vida social como antagonismo entre opressor e oprimido, “mais-valia”, esses eram os termos em que a política era discutida pelos intelectuais europeus.

Para o povo americano essa discussão nunca fez muito sentido, já que os conceitos de propriedade privada e liberdade estão amalgamados ao conceito de nação, estando vinculados aos atos de formação daquele País. Mas a América não conseguiu se livrar da ideologização do mundo. Como não parecia viável importar o socialismo e seus conceitos, havia um campo em que uma esquerda ideológica poderia atuar: a crítica ao capitalismo.

Se não era possível criticar a propriedade, pelo menos uma forma vulgar dela poderia ser eleita como alvo. Daí surgiu toda a questão envolvendo o consumismo, a propaganda e a “sociedade de massas”. A ideia era tratar o consumo não como uma demanda das pessoas livres que vivem em ambientes democráticos, mas sim como fruto da exploração de um “oprimido” (consumidor) pelo “opressor” (meios de comunicação, publicitários, empresas fabricantes). O pobre consumidor seria tão manipulado pelas empresas e suas propagandas, vítima de um sistema perverso e injusto, que até mesmo o roubo passaria a ser, na visão de alguns intelectuais de esquerda, aceitável.

Veja que os regimes socialistas que existiram no mundo sempre privaram seus habitantes de acesso aos bens de consumo, seja pela ineficiência dos meios de produção, seja pela tentativa de construir um “novo homem”, interessado em coisas que o regime considerava adequadas (e os bens de consumo nunca estava entre elas). É de se notar que até hoje a esquerda mais utópica admira o regime de Cuba. Turistas de todas as partes do mundo olham para aquela sociedade, que se assemelha aos filmes da década de 1950, e imediatamente são tomados por nostalgia de um passado que não viveram.

“Como o homem precisa de pouco!”, “eu viveria aquela existência feliz e simples se fosse cubano”, são os depoimentos que usualmente ouvimos dos que visitaram o país. Ninguém parece capaz de se perguntar se os moradores da ilha preferem viver aquela vida lúdica e admirada pelos bem nutridos visitantes com seus iPhones ou se não prefeririam ter liberdade para empreender, emigrar ou mesmo estragar suas vidas ao gosto de cada um.

Aqui no Brasil recebemos influência da esquerda europeia e americana. O socialismo está presente nos programas de todos os partidos de esquerda, do PCdoB ao PT, ao mesmo tempo em que importamos as críticas à chamada “sociedade de consumo”, a linha auxiliar americana de crítica à propriedade privada. Há um debate positivo, ligado ao excesso de compras e à sustentabilidade. Há outra crítica, no entanto, que decorre puramente de uma espécie de preconceito contra essas relações que foram livremente estabelecidas em nossa sociedade, as relações de consumo.

Em uma sociedade democrática, as diferenças de opinião são sempre saudáveis. Fato lamentável é não termos dado importância aos autores que apontavam outros caminhos por todo esse tempo. A preponderância dos intelectuais de esquerda nos debates públicos, que empunhavam uma suposta superioridade moral por estarem contra a “injustiça social”, pode ter nos limitado como sociedade.

Infelizmente, junto com a recuperação de figuras históricas icônicas, como Churchill, e com o resgate de autores essenciais do século XX, como Raymond Aron e Roger Scruton, há uma linha radical que se identifica com a direita, como o movimento Alt-right americano ou o bolsonarismo no Brasil, que reforçam esse dualismo, estreitam a discussão e podem continuar obstando um debate real entre os que têm opinião diferente.

Nos EUA grupos que perceberam esse acirramento buscam mediar os conflitos, criando ambientes e regras propícios para que os debates se deem em torno de ideias, em que o respeito ao oponente seja incentivado, em que a ênfase deixe de estar nas grandes questões da humanidade, sendo substituída pela discussão dos problemas locais de cada comunidade.

No Brasil, penso que os candidatos e grupos que vierem a apostar na divisão da sociedade, na falta de diálogo ou nos ataques pessoais devem ser evitados. Já levamos essa divisão muito longe. O único caminho para nos restabelecermos como sociedade é pelo diálogo, inclusive e principalmente com aquele que pensa diferente. É hora de deixarmos nossas bolhas, não dar muita atenções aos trollers e criar espaços para a discussão. Vamos tentar?

Gustavo Theodoro

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s