Mês: maio 2015

Da Coerência Política

Romney-cartoon-double-speak

Não se discute mais o estelionato político do PT. Está claro que o partido prometeu um cardápio, mas está entregando um prato diferente. Isso é fato. Espanta-me, no entanto, que a oposição, que denunciou o estelionato eleitoral do PT, se comporte de forma semelhante. Como pode o PSDB votar contra o ajuste fiscal e contra o fator previdenciário que eles próprios criaram?

Sei que vão me dizer que eu não deveria esperar nada mesmo de políticos, que são todos iguais, que na situação defendem a manutenção do poder e na oposição apostam no quanto pior melhor. Pode ser. Mas isso não nos impede de fazer uma cobrança por coerência. Nessa confusão em que estamos, torna-se impossível apoiar qualquer grupo.

É certo que a história nos ensina que pessoas excessivamente coerentes, muito racionais e éticas, não costumam ter grande sucesso na política. Pois a política exige, sempre, capacidade de recuar, de transigir e de compor. Mas o que ocorre em nossa política atual é muito mais do que isso. Há uma completa inversão de papéis, justificada por uma visão política de curto prazo, voltadas a paixões imediatas.

Sim, Robert Aron disse que, há algumas décadas, que é uma ilusão da experiência do nosso século supor que os homens sacrificarão suas paixões a seus interesses. É um pensamento inovador e surpreendente, mas muito aplicável ao momento atual. Era de conhecimento da maioria dos economistas que a política desenvolvimentista do Governo Dilma nos levaria ao ajuste fiscal de agora. A paixão pelo ideário igualitário, distributivista, com forte papel estatal, nos conduziu a esse desajuste que ora se apresenta, comprometendo os próprios interesses do PT.

Ao mesmo tempo, o PSDB, ao contribuir para o agravamento da situação das finanças públicas pelos próximos anos, não atua em favor do País. De certa forma isso pode aumentar suas chances eleitorais, mas adiciona dificuldade a um eventual futuro governo seu. Nesse deserto de estadistas, são as raposas que se criam e dominam o cenário. Enquanto assistimos à derrocada de PT e PSDB, é o PMDB que passa a dar as cartas. Alguém pode estar satisfeito com isso?

Gustavo Theodoro

Anúncios

Afinidades Eletivas

livre_arbitrio

Recebemos como herança cultural uma sobrevalorização do livre arbítrio, que tem por resultado vincular nosso destino a nossas escolhas. “Somos condenados a ser livres” e “o homem é responsável por si próprio” são expressões de Sartre sobre esse suposto fardo da responsabilidade por nossas escolhas.

No entanto, o “liberal conservador” – sempre tenho gosto especial em juntar essas expressões – John Gray, em seu Cachorros de Palha, nos revela que o livre arbítrio talvez tenha essa importância em nossa sociedade devido à herança cristã. Pois a religião nos ensina que foi por escolher a árvore da sabedoria que o homem vive nesse “mundo de dores e sofrimentos”.

De certa maneira, os existencialistas ateus rejeitaram a religião, mas se apropriaram dos conceitos dela ao ressaltar a importância das nossas escolhas para a vida que vivemos no momento. “Somos escravos de nossas escolhas”.

John Gray nos lembra que não escolhemos onde nascemos, nossa língua materna, nossa personalidade ou o quanto inteligente somos. Tudo isso nos é dado, sem nenhum questionamento. Muitas das escolhas que fazemos se devem à nossa herança genética, a nosso ambiente cultural ou a outro motivo alheio à nossa racionalidade. E boa parte do que é nossa vida não tem interferência nossa.

Apesar disso, é de se reconhecer que cabe a nós alguma responsabilidade sobre as amizades que escolhemos, o emprego a que nos sujeitamos ou a vida que levamos. E é em momentos de crise que temos condições de aferir a qualidade de nossas escolhas, seja para refazê-las ou para refutá-las. Pois ainda que não sejamos inteiramente responsáveis por nossa vida ser como ela é, inegavelmente há significativo espaço para atuação do livro juízo.

Momentos de crise aproximam as pessoas. Surge espaço para atuação política, pois crise implica algum tipo de mudança e a criação de algo novo. Não se cria algo novo, dentro de um espaço público, sem a combinação de interesses das pessoas, sem a atuação em conjunto, sem o fortalecimento de um espaço público, onde a atuação, afinal, ganha significado. Foi Platão que disse que é impossível agir sem amigos e companheiros confiáveis.

Esse tipo de atuação é tão importante, como já foi registrado diversas vezes da história, que aqueles que vivenciam uma crise com atuação conjunta, mesmo com sérios riscos à vida, sentem perda de significado na vida quando tudo termina, ainda que a atuação das pessoas em comum tenha produzido algo.

René Char atuou por quatro anos na Resistência Francesa, que buscava combater o Regime de Vichy, a França Nazista, durante a Segunda Guerra. Após a guerra, na formação da Terceira República, ele se sentiu vazio, como se a vida fosse aquela ação articulada, conjunta, fundada em sólidas amizades que buscavam a libertação do jugo Nazista. Nada parecia mais tão interessante quanto aquela vida que viveram. Ao se deparar com essa nova vida, ele se manifestou: nossa herança não nos deixou nenhum testamento. Para ele, o mundo após aquele momento apresentava uma opacidade triste, como se o seu cotidiano particular não importasse mais.

Eu ainda devo voltar a tratar do sentido da vida. Mas não é esse meu interesse no momento. Aos que vivem crises e momentos de grande turbulência, com o surgimento desses espaços públicos que propiciam o nascimento de alianças em busca da construção de algo novo, o único conselho que posso dar é para que aproveitem o momento. Por mais difícil que seja, o momento é propício para o estreitamento de laços, para a revelação de pessoas sem qualidades (que devem ser afastadas), para reencontro de cada um com seus valores e para desenvolvimento de um sentimento de pertencimento ao mundo que talvez seja inédito na vida de cada um. É nesses momentos em que é possível eleger as afinidades que lhe são valiosas, pois as amizades surgidas nesses momentos podem ser eternas.

Nesse sentido, talvez seja o caso de dar ao livre arbítrio o valor que ele merece. Se é fato que não podemos escolher tudo sobre nós mesmos, há algumas escolhas que podem fazer diferença para o resto de nossas vidas, independentemente do resultado que tenham. O mundo nos concede poucas oportunidades de desvelamento, de conhecimento de algumas verdades muito bem escondidas. Se feita a escolha certa, o mundo pode se abrir a nosso conhecimento de forma inédita durante graves crises. E as alianças formadas nessas condições são inquebrantáveis.

Gustavo Theodoro