Fugindo do Rolezinho

De tempos em tempos alguns temas tomam os meios de comunicação de assalto. Posta a questão, vemos rápida divisão de pontos de vista sem que tenha transcorrido o necessário tempo para reflexão.

O assunto do momento são os chamados “rolezinhos”. Segundo noticiado por alguns veículos de informação, eles se constituem grupos de jovens que se reúnem em shoppings, andam pelos corredores, cantam raps ou funks e não compram nada.

Incapazes de raciocinar, os afoitos comentaristas rapidamente passaram a adotar suas premissas para a novidade do momento, utilizando para isto os velhos arquétipos dos grupos de que participam.

Para os que se identificam com o chamado pensamento de esquerda brasileira, trata-se de um movimento de ocupação pelos pobres negros dos espaços higienizados criados para os brancos ricos. Assim, de acordo com esta facção sectária, os rolezinhos são um fato novo positivo que deve ser encampado pelos demais movimentos sociais. Se havia alguma espontaneidade nestes movimentos, podemos estar certos de que ela se encerrou com a adesão do Black Blocs, da Mídia Ninja, de alguns Sindicatos, da UNE, do Passe Livre, etc…

Para os que se identificam com o chamado pensamento de direita brasileira, tudo isto não passa de baderna de jovens desocupados, que deveriam estar na escola estudando. Tendo isto em vista, o polícia deveria agir com rigor para conter os pobres, já que os shoppings são um espaço privado, sujeito às normas dos donos desses estabelecimentos.

Sofro de certo cansaço com estas discussões, em especial por mitigar sua espontaneidade e por transformar um movimento que pode até ter nascido espontaneamente em símbolo da disputa política que oblitera os debates que dignificariam a esfera pública. Ao final, tudo se reduz ao velho fla-flu em que uma luta de classes criada pelo próprio debate tem preponderância. Uma vez estabelecido o embate entre opiniões bem conhecidas, cada um passa a exercer um papel que deles se espera, onde o hábito supera em muito a reflexão.

Apesar de o socialismo ter sido derrotado pelo capitalismo naquilo que é mais importante – dar melhores condições de vida às pessoas -, a análise das situações sociais no Brasil deve muito ao marxismo (e talvez também a Rousseau). Foi Marx que descreveu como ninguém o conflito entre as classes existente na sociedade no século XIX, opondo a burguesia ao proletariado. Foi também Marx que defendia o uso de força (mas não da violência) para alterar a relação de poder entre as classes.

O fato é que aquelas categorias distinguidas por Marx já não existem, mas nossos pensadores ainda não se deram conta. Continuamos, ingenuamente, a separar pessoas por classe, tentando adaptar ao momento atual algo que já fez algum sentido no passado. E os oportunistas de aproveitam disso, distorcendo conceitos e fazendo mau uso da esfera pública.

A verdade se perde então em um mundo de opiniões alicerçadas em terreno sem fundação. Mas, como dizia Gottfried Keller, a verdade não nos foge. Não deixamos de notar que, em determinado contexto, um grupo social é tratado ora como pobres ora como nova classe média. Outro grupo social é tratado ora como elites ora como classe média. É neste alagadiço terreno que ocorre o debate, feito antes para esconder que para revelar.

E se forem me chamar para dar um rolezinho neste debate, desistam. Prefiro seguir interessado em discussões inúteis sobre a verdade, a antiguidade, a tradição e sua influência sobre a contemporaneidade.

Gustavo Theodoro

5 comentários

  1. Caro Gustavo, parabéns pelo blog. Depois vou dar uma espiada com mais calma.
    Quanto aos rolés, fiquei sem saber qual a sua opinião. Vá lá que você não queira dar um rolé no assunto, mas já que decidiu abordá-lo…
    É que atualmente, além do maniqueísmo Direita-Esquerda ao qual você se reporta no artigo, que é muito similar ao do Crente X Ateu, há a posição Agnóstica…
    Nesse artigo, você está me parecendo meio agnóstico:não aprova nem desaprova…
    Afinal, o rolezinho é um inofensivo “movimento cultural”, como afirma o poder instituído e constituído de São Paulo, ou fere normas constitucionais?
    Os seus ávidos leitores “exigem” uma resposta…!!! rsrs;
    Abração e sucesso ao blog.

    1. Valente,
      Interessante seu comentário, pois cobra de mim algo que declarei que não pretendo fazer por aqui. Ou seja, qual é minha opinião sobre o “rolezinho”? Nenhuma é o pode se aproximar mais da verdade.
      Mas vamos lá. Tudo indica que o movimento é muito mais dos meios de comunicação e do polarizado fla-flu que a política nacional se tornou nestes tempos. Dezembro e janeiro são meses fracos para o noticiário, é necessário dar algo para mobilizar os muitos corações e as poucas mentes dispostas a enfrentar os assuntos.
      Respondendo a você, parcialmente, “rolezinho” é nada que virou notícia, foi descaracterizado pelo debate ferrenho, transformado em luta de pobre contra ricos, negros contra brancos, engajados contra alienados, e acabamos criando um novo fenômeno, que foram as tentativas de passeatas protagonizadas por partidos e seus braços contidas pelo natural despreparo da polícia. Por isso, em seu esquema, estou além de agnóstico: duvido da própria existência da polêmica.
      Um abraço,

  2. Caro Gustavo, desculpe ter forçado a barra, mas não foi em vão.
    Concordo com você. Estão tentando enquadrar ideologicamente o que não passa de mera desordem pontual. Li na Folha, vi nas TVs e ouvi pela Rádio Bandeirantes (programa do Agostinho Teixeira) entrevistas dessa molecada que está conclamando para os rolés, e eles sequer conseguem concatenar as ideias. Declaram que o objetivo é “as mina, mano”… Nada contra, aliás, muito a favor com relação ao objetivo. No tempo da Jovem Guarda, a gente também tinha esse objetivo, mas era nos bailinhos das nossas próprias garages, nos shows a que íamos, não havia invasão de espaço alheio sem o consentimento ou autorização.
    E creio que você tem razão, esses “movimentos” vão pipocar bastante até as próximas eleições. Hoje já se fala de novos protestos contra a Copa… A essa altura…? Acho até possível questionar a Copa, embora eu concorde com ela no Brasil, mas admito a controvérsia, porém a 3 meses da Copa esses protestos…? Está na cara que é gente querendo tumultuar. Parece que é mesmo o que você afirmou: querem politizar os protestos. E assim, os protestos que poderiam ser instrumentos de efetiva reivindicação social passam a ser meros instrumentos de manobra político-eleitoral.
    Grande abraço e mais uma vez me desculpe o saca-rolhas…

    1. Valente,
      Não é para se desculpar, gostei de sua provocação. Tinha me esquivado voluntariamente da questão, mas sua pergunta fez com que eu pudesse ir um pouco adiante.
      Sobre as manifestações “contra a copa”, é possível que ainda tenha tempo para tratar do assunto, caso as manifestações engrossem.
      Um abraço,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s